News

Como a SIM ajudou a projetar a daleGig ao futuro





Por Izabela Delfiol

A SIM São Paulo é frequentada por profissionais de diversas áreas do mercado. A série Humans of SIM traz histórias de pessoas que aproveitam o melhor do evento para expandir os seus horizontes. Este episódio é sobre Raphael Evangelista, músico, compositor e idealizador da daleGig.

Quando se referem à SIM como uma vitrine, não estão falando apenas das paredes de vidro da sala Adoniran Barbosa no Centro Cultural São Paulo, onde acontecem os showcases diurnos. A convenção pode ser vista desta forma porque serve de plataforma para diversos artistas e profissionais da música mostrarem a outros agentes do mercado a que vieram.

Para Raphael Evangelista, profissional multifacetado, a presença na SIM fez diferença em várias das frentes nas quais trabalha. O brasiliense é músico profissional, produtor e gestor cultural, co-fundador da produtora 2DL e da daleGig, startup que visa facilitar a execução de turnês de artistas independentes. A startup nasceu da vontade de Raphael de contribuir para a profissionalização do meio musical.

A história da daleGig é intimamente ligada à SIM: a iniciativa, ainda em fase de desenvolvimento, foi uma das selecionadas para os Pitches de Startups de Música e Tecnologia de 2018. "Foi um termômetro da percepção de valor desta plataforma pelo mercado. Validamos isso com muito critério e muita aceitação. Naquela época, estávamos na fase final da construção que se estendeu por todo o primeiro semestre deste ano, e este termômetro nos deu vários detalhes que apontaram para um rumo mais certeiro," explica.

Atuante do mercado em diversas posições, Raphael pôde identificar alguns problemas enfrentados na hora de marcar shows e construir turnês. Muitas vezes a comunicação entre artistas e casas de show pode ser confusa, alguns artistas precisam passar por determinadas cidades mas não sabem onde tocar e a quem procurar, entre outras situações que só vivendo na pele para entender. Após esse diagnóstico, pesquisas e mapeamentos trouxeram a daleGig à vida e, mesmo nessas etapas iniciais, a SIM teve papel fundamental: "Foi lá que conectamos e fechamos parcerias com produtores de shows, festivais, casas, espaços culturais. Foi importante para gerar uma base de dados que hoje atinge mais de 110 contratantes de shows cadastrados e verdadeiros parceiros da daleGig".

A daleGig é uma plataforma única nesse mercado de startups, que vem crescendo exponencialmente mas que, segundo o produtor, ainda não tem muitas iniciativas voltadas à música. "Hoje percebo algumas ações aparecendo, pouco a pouco, mas ainda muito tímidas, principalmente no Brasil," conta, apontando que o mercado ainda carece de conexões e que a tecnologia é uma aliada essencial para facilitar a comunicação entre músicos e contratantes "se utilizada de forma correta, respeitando as diferentes dores e necessidades de cada participante do processo."

Ele dá como exemplo, os primeiros números da daleGig, lançada em setembro: “Logo no primeiro mês, 73 propostas foram enviadas entre mais de 300 artistas cadastrados, com engajamento de quase 100% de propostas respondidas pelos contratantes. Esse número já é uma vitória em um mercado onde músico está acostumado a ficar no famoso ‘vácuo’ de propostas enviadas”. 

Tão importante quanto ter boas ideias é poder mostrá-las às pessoas que podem ajudar a torná-las projetos viáveis. Raphael revela que a SIM 2018 “foi uma vitrine que abriu bastante portas e convites, incluindo apresentar a daleGig no IMESUR Chile”, enfatizando a diferença positiva que estar em feiras e convenções de música pode fazer. “Feiras deste tipo servem de termômetro. É um momento de real feedback, onde conversar com outros players torna-se realmente valioso e eficiente. É preciso estar aberto e interessado em mostrar e ouvir”, encerra.

 

LEIA MAIS:

SIM RECEBE INSCRIÇÕES PARA PITCHES DE STARTUPS DE MÚSICA E TECNOLOGIA

  • contato
PRODUÇÃO / PRODUCTION
INFO@SIMSAOPAULO.COM
ASSESSORIA DE IMPRENSA/PR
PRESS@SIMSAOPAULO.COM